segunda-feira, 23 de julho de 2012

Mais Uma Vez...


Há dias que ela aparece assim de repente e fica por um longo tempo. Senta ao meu lado, me traz um bom vinho, conversa e às vezes até dorme comigo.

Ela vem assim, sem avisar, sem dar sinal algum. Vem em forma de letras. Em papéis de carta que encontro por acaso ao revirar minhas coisas no guarda-roupa. Estão escritas com sua caligrafia de menina dizendo as coisas mais lindas que já li.

Mas então ela se vai... um livro, uma revista qualquer, uma conversa sem sentido com alguns amigos e tudo passa.

E então ela vem. Vem em forma de imagens. Naquela foto que ainda está guardada no computador, numa pastinha especial, que por acaso encontrei ao buscar uma imagem qualquer. Naquele filme que vimos juntos os trinta primeiros minutos, e que você adormeceu no meu colo logo em seguida e eu, admirado, lhe deixava descansar. E depois, sem o menor sucesso tentava me convencer que havia visto tudo.

Mas então ela se vai... uma partida de futebol, um programa de humor na televisão e tudo passa.

Mas ela retorna... desta vez em forma de música. Canções que já cansei de escutar, mas que agora, tudo o que era cantado me fazia mais sentido, degustando cada prosa, cada misera letra. Sentia a dor na voz tremula do artista.

Mas ela se vai... um heavy metal, uma paródia qualquer que me faz rir e tudo passa.

Mas ela é insistente e astuta e volta outra vez. Ela vem também pelo ar, com o aroma do café fresquinho que me traz a imagem de você sentada no chão da cozinha com o olhar ansioso pelo lanche da tarde, com pão e queijo derretido. Vem com o cheiro do brigadeiro que só você fazia com maestria e que sabia exatamente como me ganhar.

Mas ela, enfim, se vai... uma festa qualquer com os amigos, um beijo, um carinho, um abraço e tudo passa.

Mas ela vem assim também, em forma de versos. Versos que escrevo com dificuldade em um pedaço de papel que as minhas lágrimas encontram sem cessar. Mas já estou calejado, com o tempo aprendi a suportar a dor e levantar minha cabeça mais rapidamente. Com o tempo aprendi que ela vem sem dó nem piedade, mas que logo ela vai passar.

"Se fosse só sentir saudade, mas tem sempre algo mais..."

Legião Urbana - Angra dos Reis



Texto de Diego Couto

Nenhum comentário:

Postar um comentário